jump to navigation

Richard Branson: Poder das Pessoas – a Engrenagem de qualquer negócio 01/10/2010

Posted by Marco Del Giudice in empreendedor, Marketing.
2 comments
Fundador do Grupo Virgin fala como ele criou a cultura da empresa vencedora.
Por Richard Branson | 29 sets 2010

Boas pessoas são cruciais para sucesso dos negócios. Encontrá-los, gerenciá-los, inspirá-los e depois mantê-los estão entre os desafios mais importantes que um líder empresarial. Como você lida com essas questões muitas vezes determina o sucesso ao longo prazo e o crescimento do seu negócio.

O que é uma empresa, senão um conjunto de pessoas? Pegue uma companhia aérea – o Boeing 747 que voa é o mesmo que um rival 747. Os interiores são geralmente muito semelhantes, e muitas vezes há apenas uma ligeira diferença no entretenimento e alimentação. O que diferencia uma companhia das outras são a sua tripulação e sua atitude para com os passageiros. As nossas tripulações de Virgin Airlines estão sempre sorrindo, alegres e contentes em ajudar, o que leva os passageiros a quererem voar conosco novamente.

Não é nenhuma surpresa que a Virgin America, que voa nos Estados Unidos, constantemente leva os prêmios do setor de viagens pelo serviço e qualidade. Seus aviões são novos, com grande espaço interno e entretenimento, mas acima de tudo, o grande serviço de seus tripulantes é o que ganha muitos aplausos.

As pessoas são seus principais ativos. Na linha de frente do negócio, eles podem crescer ou quebrar uma empresa. Um verdadeiro sentido de orgulho no negócio faz toda a diferença, como sempre faço questão de lembrar os nossos gerentes e outros empresários.

O seu pessoal precisa ser bem conduzido. Um bom líder deve conhecer a equipe, suas forças e fraquezas; socializar e ouvir a equipe são fundamentais. Uma das principais razões para que as pessoas saiam de um emprego é que elas não são ouvidas. Sentem-se frustrados. Raramente é só sobre dinheiro.

Esteja ciente de que um mau líder pode destruir um negócio muito rapidamente. Nas empresas pequenas isto é facilmente aparente. Na minha ilha de Necker, no Caribe, tínhamos um gerente geral que tentou mudar a forma como as coisas eram feitas. Ele desencorajou a equipe de beber com os clientes. Isso azedou a atmosfera rapidamente. Nós tivemos que intervir para substituir o gerente e restaurar a moral do pessoal e do senso de confiança que a empresa tinha com a equipe, que havia sido quebrado.

Também começamos a alguns de nossos negócios mais bem-sucedidos após uma idéia de um de nossos membros. Virgin Blue, por exemplo, a nossa companhia aérea australiana, foi idéia de Brett Godfrey, que tinha trabalhado para a Virgin, em Bruxelas.

Ele veio até mim com seu plano de negócios em um descanso de cerveja – que mostrando o startup de uma companhia aérea de baixo custo na Austrália para competir com a Qantas e a Ansett no seu mercado doméstico. Nos últimos 10 anos Brett expandiu suas companhias aéreas Blue e as companhias “irmãs” para os Estados Unidos, Nova Zelândia, Tailândia e, em breve, a África do Sul.

Em outros casos, apoiávamos uma equipe de fora, especialmente quando nós ficávamos suficientemente impressionados por eles para lhes dar apoio através da marca Virgin e o espaço para ir construir o novo negócio. Virgin Active, a nossa cadeia de health club, é um bom exemplo. Mateus Bucknall e Frank Reed vieram a mim com a idéia de um clube de fitness and health, em 1999. Eles haviam criado e vendido de uma cadeia no Reino Unido na década de 1990 e queria fazê-lo novamente com a marca Virgin.

Gostamos da idéia e da equipa de gestão. Fizemos o lançamento no Reino Unido, e dentro de dois anos foi oferecida a oportunidade de resgatar uma cadeia no sul da África. A equipe do Active agarrou a oportunidade, e não olhamos para trás desde então. Temos mais de 90 clubes na África do Sul e mais 100 no Reino Unido, Itália, Espanha e Portugal.

A confiança é um aspecto-chave de qualquer negócio, mas como você lida com a pessoa que quebrou o elo de confiança pode também contribuir para o sucesso. Você está disposto a dar às pessoas uma segunda chance?

Quando eu estava no comando da Virgin Records, um membro da equipe de talento estava roubando e vendendo caixas de discos para as lojas locais de segunda mão. Não deu outra, liguei para esclarecer a situação. Ele admitiu que tudo. Ao invés de demiti-lo, dei-lhe uma severa advertência e uma segunda chance. Todo mundo faz besteiras, às vezes, eu disse a ele, e eu disse que esperava que ele aprendesse com seu erro e que deveria voltar a fazer o que ele faz de melhor – encontrar artistas. Ele seguiu em frente a descobriu Culture Club, um dos nossos artistas mais vendidos de 1980.

Nós todos escorregamos em algum momento de nossas carreiras. Eu escorreguei. Quando eu era apenas um adolescente, que entrou em choque com os costumes e as imposições especiais do consumismo, eu tentei trazer os discos para o Reino Unido. Foi me dada uma multa, além de uma segunda chance e tenho tentado fazer melhor as coisas desde então. Acho que isso me fez aceitar e perdoar os erros das pessoas.

Assim, muitas empresas comparam-se a unidades familiares cuja palavra é extremamente utilizada nos negócios modernos. No entanto, eu realmente acredito que o senso de espírito familiar e o de pertencer a algo maior foram o que mantiveram a Virgin nesses 40 anos.

Quando o negócio foi menor, tivemos festas lendárias na minha casa perto de Oxford, na Inglaterra. Montamos um parque de diversões com barracas cheias de entretenimento para o pessoal. À medida que crescia, a festa se transformou em duas festas e, logo, houve festas de fim de semana apenas para se certificar que todos foram convidados. Ao final, as festas ficaram muito longas, e os vizinhos reclamaram e tivemos que parar.

Mas nós tínhamos estabelecido a cultura – uma construída em torno de pessoas. As pessoas são a força vital de qualquer empresa, elas precisam ser cuidadas e celebradas constantemente.

Fonte: http://www.entrepreneur.com

Pequenas ações de marketing sem gastar dinheiro 24/09/2009

Posted by Marco Del Giudice in empreendedor, Marketing.
Tags: , ,
1 comment so far
Muitas pessoas não têm idéia de quanto custa determinados investimentos em marketing e que muitos deles podem ser feitos sem gastar um centavo.

Separei algumas opções de como investir gastando muito pouco.

Website: é impressionante que na era da Web 2.0 há empresas ainda fora da internet. Se o problema é a falta de verba, saiba que a empresa pode montar ela mesma o seu site. As plataformas “open source” (código aberto) é em minha opinião a ferramenta ideal para começar na internet. As plataformas disponíveis são Joomla, WordPress, Plone e Drupal, sendo as duas primeiras as mais conhecidas. Um exemplo disso é o site que você está lendo agora que utiliza a plataforma WordPress.

Comece seu site, coloque fotos e conteúdo pertinente ao seu público. Com um pequeno investimento no registro de domínio, você pode ter um site com o nome da sua empresa. O registro por um ano custa R$ 30,00 no Registro.br. Depois haverá apenas o custo de hospedagem, que na internet é fácil achar empresas cobrando míseros R$ 7,00 reais por mês.

Pesquisa: conhecer o seu cliente talvez seja a melhor maneira de tomar decisões no dia-a-dia do seu negócio, porém, ficam inúmeras dúvidas de como fazê-la sem a ajuda de uma empresa ou o que saber sobre os clientes.

Bem, a primeira coisa é determinar como coletar essas informações. Pode ser via site, e-mail, formulário, entrevista via telefone, ou qualquer outra forma que seja mais cômoda para você.

Sugiro obviamente coletar algumas informações que acredito que sejam básicas para qualquer negócio:

Nome, endereço, telefone residencial e comercial (quando aplicável), e-mail, como conheceu a sua empresa, dar espaço para críticas e melhorias.

As informações irão variar muito do seu tipo de negócio, por exemplo, para um hotel pode ser importante saber se o cliente tem filhos ou não ou se está se hospedando a trabalho ou lazer.

Você pode achar resistência de clientes para responder pesquisas, e se esse for o seu caso, você pode dar um pequeno mimo ou desconto numa futura compra caso a pesquisa seja preenchida. Imagina sair da loja com um vale de R$ 20,00 reais para próxima compra ou de 10% de desconto! Além de ter uma pesquisa em mãos, terá um cliente satisfeito e que irá voltar para gastar mais ou até mesmo indicar para outros dando os respectivos vales. Tabule a pesquisa numa planilha Excel, faça gráfico e tenho certeza que irá se surpreender com o que vai descobrir sobre seus clientes e seu próprio negócio.

Promoções: o maior custo de algumas empresas é custo de não vender, por isso faça promoções. Se suas vendas são sazonais, como um bar que somente lota alguns dias da semana ou uma empresa de brindes que vende muito mais no segundo semestre do ano, a saída é fazer promoções incentivando a compra nos outros períodos. Uma prática muito comum em bares e restaurantes é o famoso “pague 1 e leve 2” que acaba atraindo clientes em dias menos movimentados. Faça cartões de fidelidade, incentivando o cliente a se tornar fiel e obviamente optar pelo seu negócio ao invés de outro similar. Dê descontos em períodos em que naturalmente as vendas são mais baixas, tentando antecipar pedidos que fossem feitos na época de alta.

Divulgue localmente o seu negócio: não importa se é um escritório de contabilidade ou uma auto-escola, os vizinhos podem ser seus clientes também.

Num escritório de contabilidade instalado em um prédio comercial tem fácil acesso aos nomes das empresas e responsáveis pelas mesmas ali instaladas. Telefone e marque para tomar um café. Se não sair um novo cliente dali, pelo menos uma pessoa a mais conheceu o seu negócio.

Já uma auto-escola pode fazer promoções em conjunto com um salão de beleza. Por exemplo, os clientes do salão podem ter uma aula teste grátis na auto-escola enquanto que os clientes da auto-escola têm 15% de desconto no corte do salão. Parcerias comerciais custam nada e dão retorno certamente.

Surpreenda, dê mais do que o cliente espera: gerenciar expectativas é a melhor forma de ter clientes satisfeitos e fiéis, por isso não entregue apenas o que é comum ao seu serviço. Crie diferenciais quanto à concorrência.

Imagine uma lavanderia que faz pesquisa e coleta informações dos clientes que consequentemente acaba conhecendo seus principais clientes e suas rotinas. Com isso, podem ser feitas ligações para os clientes antecipando coletas de roupas, ou oferecer uma condição especial em aniversários.

Um hotel pode vender um pacote de núpcias e receber o casal com uma garrafa de champagne no quarto.

Um corretor de seguros de carro sabe exatamente quando seu seguro vai vencer, e você sempre se surpreende quando ele te liga pontualmente dizendo que vai vencer e você se pergunta como ele lembra. Pois é, ele nos surpreende por que coleta as informações e as usa para continuar a venda. O mesmo corretor te liga quando seu filho está prestes a completar 18 anos para oferecer os seus serviços caso pretenda presentear seu filho. Faça como o corretor de seguros, surpreenda.

Links úteis:

Plataformas gratuitas para desenvolvimento de sites e blogs:

http://br.wordpress.org/

http://www.joomla.org/

http://plone.org/countries/br

http://drupal.org/

Registro de domínio de site:

http://registro.br/

Hospedagem de site:

http://www.uolhost.com.br/

http://www.locaweb.com.br/